Blog da Ramyria Santiago -

MULHER É ESQUARTEJADA E DIVIDIDA EM SEIS PEDAÇOS NA BAIXADA FLUMINENSE.

whatsapp-image-2016-10-10-at-22-17-40

Identificada a mulher encontrada morta e esquartejada, encontrada em sacos plásticos na linha férrea, altura da estação de Coelho da Rocha. Theicyane Lara da Silva foi reconhecida por familiares no IML e a polícia ainda não sabe as circunstâncias da morte. A investigação segue na D.H.B.F

whatsapp-image-2016-10-10-at-22-12-17

Ela foi esquartejada e dividida em seis sacolas plásticos pretas, corpo dela foi  encontrado jogado na linha de trem na altura da passarela amarela, em Coelho da Rocha, São João de Meriti-RJ.
O local já estava fedendo e só foi dada atenção quando uma parte da sacola se rompeu e apareceu um pé, já apodrecido, que ficou a amostra

 

whatsapp-image-2016-10-10-at-22-17-35.

Vítima de estupro limpa sangue na roupa do agressor e prova crime

whatsapp-image-2016-10-10-at-13-41-39

Prova final para o criminoso ser condenado.
Uma mulher de 58 anos, não identificada, foi atacada e estuprada enquanto levava seu cachorro para passear. Extremamente machucada, ela decidiu limpar o sangue dos seus ferimentos nas roupas do criminoso. A atitude desesperada, porém inteligente, foi a prova final para que seu agressor fosse condenado.
O crime aconteceu em 15 de julho em Cumbria, na Inglaterra. Sob ameaças de esfaqueá-la até a morte, o criminoso de 18 anos teria batido diversas vezes na mulher para, depois, estuprá-la. Apesar das súplicas da mulher, a violência continuou. Em um momento de “descuido” do agressor, ela conseguiu passar seu próprio sangue nas roupas dele, o que levou a polícia a identificá-lo.
“A evidência provou que ele cometeu o delito de maneira inquestionável. Depois de negar inicialmente as acusações, ele não teve outra escolha a não ser se declarar culpado”, disse a promotora Isla Chilton à publicação. O jovem foi condenado a 11 anos de prisão.

DIA 16 INICIA O HORÁRIO DE VERÃO

whatsapp-image-2016-10-10-at-14-04-18

O Horário Brasileiro de Verão, que muitos odeiam, já outros acham muito bom, começa no dia 16 de outubro nos estados que rege a lei. A partir das zero horas os relógios devem ser adiantados em 1 hora.

O Horário de Verão consiste no adiantamento do relógio durante as estações do verão e primavera, onde os dias são mais longos. O objetivo é ajudar no racionamento de energia elétrica, fazendo as pessoas aproveitarem mais a iluminação natural do Sol.

O Horário de Verão surgiu pela primeira vez no Brasil com o Decreto de Lei nº 20.466, de 1 de Outubro de 1931, estipulando o adiantamento do relógio em uma hora em todos os estados do território brasileiro. Atualmente, os estados da região Norte e Nordeste não participam do Horário de Verão.

O horário de verão existe atualmente em 30 países. A grande exceção são os países localizados na faixa equatorial, onde não existem variações de estações e o clima mantêm-se o mesmo em quase todo o ano.

Estados com Horário de Verão
São Paulo
Rio de Janeiro
Espírito Santo
Minas Gerais
Paraná
Santa Catarina
Rio Grande do Sul
Goiás
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul e
Distrito Federal

PM PRENDE HOMEM QUE TENTOU MATAR A PRÓPRIA MÃE A FACADAS NO PI

whatsapp-image-2016-10-10-at-14-42-10

A Polícia Militar da cidade Piauiense de Luis Correia, localizada no litoral do estado, prendeu na manhã deste domingo, 9 de outubro, um homem identificado por Francisco das Chagas Pereira da Silva, de 31 anos de idade, ele é acusado de tentar matar a própria mãe.

De acordo com informações da PM, Francisco das Chagas estava com a mãe dentro de casa, no bairro Triângulo, quando teve início uma intensa discussão entre os dois. Durante discussão, “Cururuca”, como é mais conhecido, utilizou uma arma branca [faca] para tentar tirar a vida da própria mãe, identificada por Maria do Socorro.
A polícia informou ainda que, Maria do Socorro renunciou à representação criminal favorecendo o filho acusado, que seria posto em liberdade.
A prisão foi efetuada por uma guarnição da Ciptur composta pelo sargento Itapirema, cabo Carlos André e o soldado Marcos Araújo

Menina de 14 anos é acorrentada pela própria mãe em Parnaíba Cárcere privado

whatsapp-image-2016-10-10-at-14-42-14
Uma batida policial por volta das 23hs deste sábado(08) na residência localizada na Quadra B, casa 01, conjunto João Paulo II, bairro Mendonça Clark em Parnaíba, resultou na prisão da senhora Maria Frankileide R. de Carvalho, acusada de ter deixado sua própria filha, uma menina de 14 anos, acorrentada em um cômodo de sua casa, mantendo-a em cárcere privado.
A mãe da menor teria saído de casa para trabalhar e deixou sua filha dentro do quarto com uma janela aberta, sendo que uma prima da vítima teria visto a cena e acionado à policia.
Ao retornar do trabalho, Maria Frankilieide encontrou uma grande multidão em frente à sua casa, incluindo à policia, que adentrou na casa e liberou a jovem da corrente com cadeados. O caso foi levado para central de flagrantes com a prisão de Maria Frankileide.
Em depoimento ao delegado Eduardo Ferreira, no cartório criminal daquela distrital, Maria Frankileide disse que deixou sua filha amarrada e acorrentada pelo fato da jovem viver fugindo para consumir drogas, juntamente com umas primas, acrescentando que na segunda-feira(10/10) iria leva-la ao Caps para tratamento.
A jovem prestou depoimento ao delegado informando que sua mãe já tinha lhe acorrentado muitas vezes, por querer seu relacionamento com um sujeito, o qual não informou o nome.
Os policiais Vilela e AL,CFS Eudes, que efetuaram a prisão de Maria Frankileide, disseram ao delegado que a menor já teria fugido uma vez do cárcere ao serrar os cadeados.
Jovem acorrentada no pé direito. A mãe foi autuada pelo delegado Eduardo Ferreira no crime de ‘cárcere privado

whatsapp-image-2016-10-10-at-14-42-07

MÃE DE PM MORTO NO RIO DESABAFA: ‘NINGUÉM PENSA QUE POLICIAIS TÊM FAMÍLIA'

whatsapp-image-2016-10-10-at-15-18-07
“Meu nome? Eu sou a mãe do soldado Moreira. Grande menino. A razão da minha vida”. O desabafo, em tom emocionado, é de Fátima Pires, mãe do soldado Felipe Pires Moreira, de 25 anos. Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio, ele foi morto a tiros na tarde de domingo, perto de uma das entradas da Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, na Zona Norte. O agente estava com a namorada e duas crianças quando foi rendido por três suspeitos de bicicleta.
– Ele estava num parque, gente. Num parque que tinha que ter segurança. Eles estavam com duas crianças. Uma delas estava no colo do meu filho. Ele só teve tempo de colocar a criança no chão. Não teve como se defender. Quando tentou puxar a arma tinha três atirando nele – disse Fátima, chorando.
Ela continuou o desabafo:
– Queria pedir para ter direitos humanos para os policiais. Eles estão guerreando pelos cidadãos e não têm direitos humanos para eles. Ninguém pensa que policiais têm mãe, têm pai, têm família. Só isso que quero falar. Direitos humanos para os policiais. Eles são gente, estão lutando pela gente e ninguém reconhece isso. Só acham que policial é corrupto. Tiram um por meia dúzia. Vocês querem saber meu nome? Eu sou a mãe do soldado Moreira. Grande menino. A razão da minha vida e da dos irmãos dele.
Irmão de Felipe, Artur Pires Moreira contou que o irmão tinha orgulho de ser policial e, atualmente, tentava realizar seu grande sonho: integrar a equipe do Batalhão de Operações Especiais (Bope).
– Ele era guerreiro mesmo. Gostava da profissão, gostava do que fazia. Ele escolheu essa profissão porque nasceu para isso. Morreu tentando reagir a um assalto. Sabia que não ia conseguir sozinho mudar o mundo, mas fazia de coração. Vestiu a farda mesmo. Tinha o sonho de ser do Bope. Estava treinando para entrar no Bope – disse.
O rapaz ainda criticou a postura do governo do Rio:
– O estado é omisso. É uma vergonha os policiais morrerem igual a formigas. Virou uma coisa comum. Ninguém parece ligar para a dor do familiar. A minha tristeza e a minha dor são imensuráveis. A ficha ainda não caiu.
O corpo de Felipe Moreira está no Instituto Médico-Legal (IML). O enterro será nesta terça-feira, às 11h, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap. Ele estava na PM havia três anos.
Soldado havia trocado de lugar com outro PM que morreu
Felipe Moreira era amigo do também soldado André de Jesus Silva, de 36 anos, que morreu na sexta-feira, durante confronto com traficantes da Cidade de Deus, na Zona Oeste. Segundo um policial da UPP Cidade de Deus, Moreira teria que estar de serviço na sexta, mas havia pedido para que Jesus trabalhasse em seu lugar por causa de um compromisso.
– O Jesus era amigo do meu filho. Ele foi enterrado ontem (em Volta Redonda). E amanhã será meu filho. E depois? Que outra família vai chorar essa perda? – disse Fátima Freire.
by Jornal Extra

MÃE DE PM MORTO NO RIO DESABAFA: ‘NINGUÉM PENSA QUE POLICIAIS TÊM FAMÍLIA’

whatsapp-image-2016-10-10-at-15-18-07
“Meu nome? Eu sou a mãe do soldado Moreira. Grande menino. A razão da minha vida”. O desabafo, em tom emocionado, é de Fátima Pires, mãe do soldado Felipe Pires Moreira, de 25 anos. Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio, ele foi morto a tiros na tarde de domingo, perto de uma das entradas da Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, na Zona Norte. O agente estava com a namorada e duas crianças quando foi rendido por três suspeitos de bicicleta.
– Ele estava num parque, gente. Num parque que tinha que ter segurança. Eles estavam com duas crianças. Uma delas estava no colo do meu filho. Ele só teve tempo de colocar a criança no chão. Não teve como se defender. Quando tentou puxar a arma tinha três atirando nele – disse Fátima, chorando.

Ela continuou o desabafo:
– Queria pedir para ter direitos humanos para os policiais. Eles estão guerreando pelos cidadãos e não têm direitos humanos para eles. Ninguém pensa que policiais têm mãe, têm pai, têm família. Só isso que quero falar. Direitos humanos para os policiais. Eles são gente, estão lutando pela gente e ninguém reconhece isso. Só acham que policial é corrupto. Tiram um por meia dúzia. Vocês querem saber meu nome? Eu sou a mãe do soldado Moreira. Grande menino. A razão da minha vida e da dos irmãos dele.
Irmão de Felipe, Artur Pires Moreira contou que o irmão tinha orgulho de ser policial e, atualmente, tentava realizar seu grande sonho: integrar a equipe do Batalhão de Operações Especiais (Bope).
– Ele era guerreiro mesmo. Gostava da profissão, gostava do que fazia. Ele escolheu essa profissão porque nasceu para isso. Morreu tentando reagir a um assalto. Sabia que não ia conseguir sozinho mudar o mundo, mas fazia de coração. Vestiu a farda mesmo. Tinha o sonho de ser do Bope. Estava treinando para entrar no Bope – disse.

O rapaz ainda criticou a postura do governo do Rio:
– O estado é omisso. É uma vergonha os policiais morrerem igual a formigas. Virou uma coisa comum. Ninguém parece ligar para a dor do familiar. A minha tristeza e a minha dor são imensuráveis. A ficha ainda não caiu.
O corpo de Felipe Moreira está no Instituto Médico-Legal (IML). O enterro será nesta terça-feira, às 11h, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap. Ele estava na PM havia três anos.
Soldado havia trocado de lugar com outro PM que morreu
Felipe Moreira era amigo do também soldado André de Jesus Silva, de 36 anos, que morreu na sexta-feira, durante confronto com traficantes da Cidade de Deus, na Zona Oeste. Segundo um policial da UPP Cidade de Deus, Moreira teria que estar de serviço na sexta, mas havia pedido para que Jesus trabalhasse em seu lugar por causa de um compromisso.
– O Jesus era amigo do meu filho. Ele foi enterrado ontem (em Volta Redonda). E amanhã será meu filho. E depois? Que outra família vai chorar essa perda? – disse Fátima Freire.

by Jornal Extra