Blog da Ramyria Santiago -

EM CODÓ PROCON SE ENTOCA E INVENTA DESCULPAS PARA A FALTA DE FISCALIZAÇÃO DOS PREÇOS ABUSIVOS DE PRODUTOS NA CIDADE. “VAMOS TIRAR O PROCON DA TOCA CODÓ”!

Em meio a pandemia da covid-19 e abertura de comércios essenciais, o Procon de Codó está deixando a desejar e devido a isso está havendo na cidade um aumento abusivo de preços e não há fiscalização de estabelecimentos para fazer valer o direito do consumidor. Uma informação importantíssima que o blog  da Ramyria Santiago descobriu é que o Procon de Codó não tem nenhum fiscal como tinha  antigamente.

O blog da Ramyria Santiago conversou com Coordenador do Procon de Codó Tomé Mota ele nos informou apenas que a orientação é para que as denúncias sejam  registradas pelos consumidores  através do aplicativo ou site do PROCON MA, e nada mais foi esclarecido pelo o então coordenador que logo nos transferiu para a Ascom do PROCON no comando de Jacii Martins que também não soube nos explicar porque o PROCON de Codó se cala em meio a tantos problemas e preços extremamente abusivos. 

As denúncias relacionadas ao aumento abusivo de preços são muitas e a população não sabe o que fazer e nem a quem recorrer. Em Codó você encontra cartela de ovos que antes era 11,00 reais, agora custa 23,00 ou 25,00 reais, álcool gel que antes custava 5,00 reais, agora você encontra de 16,00 e até 20,00 reais. Os produtos alimentícios são os que mais aumentaram os preços em Codó e todos os comércios estão abusando do consumidor. O Procon que se encontra de portas fechadas era pra está nas ruas, nos comércios, supermercados fazendo essas fiscalizações que iria ajudar o consumidor que já está impedido de trabalhar e ganhar seu dinheiro suado devido a pandemia  Covid-19, que dirá ter dinheiro para manter suas famílias e comprar alimentos desse valor. O blog da Ramyria Santiago visitou o mercado nesta sexta feira santa e encontrou o quilo de camarão por 80,00 reais,  3 latas de sardinha por 10,00 reais, cartela de ovos por 25,00 reais.

O que não entendemos é: A produção continua ocorrendo, os supermercados e farmácias estão abertos, está sendo feito o transporte e a entrega. A não ser que eles tenham um motivo, como por exemplo, o produto que usam para produção é importado e teve aumento, ou é cotado em dólar. É preciso uma justificativa, porque o risco que corremos é o abuso em cima de um produto que está em estoque há meses e agora joga o preço lá em cima.

ACORDA PROCON, VOCÊS JÁ NÃO TRABALHAVAM ANTES E AGORA SÓ PIOROU.

Categoria: Notícias

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*