Blog da Ramyria Santiago -

MARANHÃO REGISTRA O PRIMEIRO CASO DA VARIANTE BRASILEIRA DO NOVO CORONAVÍRUS EM UMA MULHER DE 35 ANOS DE PAÇO DO LUMIAR.

Informação foi confirmada na noite desta sexta-feira (26), pela Secretaria de Estado da Saúde (SES). A cepa foi identificada em uma paciente de 35 anos, moradora de Paço do Lumiar, município da Região Metropolitana de São Luís.
O Maranhão confirmou, na noite desta sexta-feira (26), o primeiro caso da variante brasileira P.1 da Covid-19, originalmente identificada no Amazonas.

Os resultados laboratoriais que identificaram a variante, foram repassados ao estado nesta sexta-feira, pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. O exame foi coletado no Hospital São Luís e enviado ao Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão (LACEN/MA), que enviou a Fiocruz.
Be-a-bá do vírus: entenda o que é mutação, variante, cepa e linhagem
Especialistas dizem que variante brasileira tem potencial de reinfectar quem já teve Covid
A pasta informou que a cepa foi identificada em uma paciente do sexo feminino, de 35 anos, sem comorbidades, moradora do município de Paço do Lumiar, localizado na Região Metropolitana de São Luís. Ela atua como guarda municipal de São Luís e não possui histórico de viagem.
Segundo a secretaria, a paciente apresentou sintomas suspeitos da Covid-19 como tosse, mialgia, perda de olfato e paladar. A SES afirmou que ela cumpriu quarentena domicilar e teve plena recuperação.

Coronavírus no Maranhão
Nesta sexta-feira (26), o Maranhão chegou a 218.435 casos e 5.012 mortes pela Covid-19, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES).
Nas últimas 24 horas, foram registrados 279 casos. Das novas infecções, 89 foram na Grande Ilha (São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa), 42 em Imperatriz e 148 nos demais municípios do estado.
Em Imperatriz, segunda maior cidade do estado, a taxa de ocupação de leitos clínicos para a Covid-19 chegou hegou a 100% nesta sexta. Em relação aos leitos de UTI, a ocupação chegou a 89,09% de ocupação. De 55 leitos, apenas seis estão livres.
A situação também é alarmante na Grande Ilha, onde que chegou a 91,19% de ocupação dos leitos de UTI. De 159 leitos na região, apenas 14 estão livres. Em relação aos leitos clínicos, a ocupação chegou a 57,80%.

Categoria: Notícias

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*