Blog da Ramyria Santiago -

APENAS 49% DAS VERBAS FEDERAIS DESTINADAS AO COMBATE AO COVID-19 FORAM APLICADAS EM CODÓ. DE R$ 15.615.568,87 APENAS R$ 7.650.434,00 FORAM IDENTIFICADOS, O RESTO SUMIU CODÓ….O GATO COMEU E NINGUÉM VIU….

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-MA) concluiu mais uma das atividades realizadas pela instituição no processo de fiscalização da forma como o estado e os municípios maranhenses vem aplicando as verbas federais destinadas às ações de combate à pandemia causada pelo coronavírus (Covid 19).

Visando identificar se os recursos recebidos foram aplicados para a finalidade e nas ações específicas para as quais foram destinados, os auditores do TCE realizaram levantamento de informações no Portal da Transparência do Governo Federal, no Sistema de Acompanhamento de Contratações Públicas (Sacop) e nos portais da transparência do Governo do Estado e dos municípios,

Um dado checado pelos técnicos foi o percentual já efetivamente utilizado, considerado um dos indicadores da capacidade de mobilização, planejamento e organização dos entes públicos no enfrentamento da pandemia, de maneira a criar a estrutura necessária ao atendimento da população.

O levantamento incluiu também a análise detalhada das Folhas de Pagamento dos entes públicos, visando identificar eventuais aumentos nos gastos com pessoal em razão de contratações que possam ter sido realizadas em decorrência do combate à pandemia. A conclusão foi de que não houve aumento significativo de gastos por parte do Estado e dos municípios.

No caso da análise das informações constantes do Sistema de Acompanhamento de Contratações Públicas (Sacop), foi identificado que os municípios enviaram informações ao sistema dentro dos padrões técnicos recomendados, enquanto o Governo do Estado registrou índice menor de envio de informações ao sistema, quando comparado aos municípios.

O diagnóstico aponta para a existência de algumas assimetrias em relação à aplicação dos recursos de combate à pandemia, o que vai demandar uma atuação da corte de contas junto aos gestores públicos visando sua imediata correção. O principal problema é relativo ao percentual de aplicação dos recursos, que se encontra longe dos índices considerados satisfatórios na maioria dos municípios maranhenses.

“O TCE está depurando as informações obtidas e solicitando dados complementares que permitam identificar as causas dos baixos percentuais de aplicação e apontar alternativas para que os recursos sejam utilizados com maior presteza e eficácia”, explica o secretário de Fiscalização do TCE, Fábio Alex Melo.

De acordo com o secretário, outro ponto que chama atenção é o fato de alguns municípios terem enviado ao TCE percentuais de aplicação superiores a cem por cento em relação aos recursos recebidos. Os auditores da instituição já estão em contato com os gestores que forneceram essas informações para os devidos esclarecimentos.

Melo informa que a Corte de Contas maranhense continua a realizar ações de fiscalização voltadas à aplicação das verbas de combate à pandemia, inclusive com aprimoramento das metodologias de trabalho e o estabelecimento de novos padrões, específicos para essas atividades. “Os recursos de combate à atual pandemia devem ser utilizados de forma rápida e efetiva, tendo como foco medidas que permitam cuidar da saúde de todos os cidadãos. Para isso, essas verbas devem ser aplicadas dentro padrões previstos na legislação. O TCE, desde o princípio, está atuando para que isso seja alcançado, orientando os gestores públicos, fiscalizando e adotando as medidas punitivas cabíveis em sua esfera de atuação”, afirma.

Situação no município de Codó

O levantamento do TCE aponta que apenas 48,99% das verbas federais foram aplicadas no combate a pandemia em Codó.

O Portal da Transparência do Governo Federal demonstra que R$ 15.615.568,87 foram repassados ao município, mas apenas R$ 7.650.434,00 foram identificados no SACOP.

CLIQUE AQUI para conferir todas as informações do acompanhamento realizado até agora pelo TCE, incluindo 2020.

Por TCE/MA

ATENÇÃO PREFEITURA DE CODÓ: ÁGUA DE ESGOTO PARADA E CHEIA DE LARVAS GERA REVOLTA DE MORADORES DO SANTO ANTÔNIO:CANO ENTUPIDO A MESES E A ÁGUA NÃO ESCORRE.

No vídeo a situação é caótica, e a cada dia piora. A meses que a situação está dessa forma e à prefeitura municipal de CODÓ nunca mandou desentupir o cano que liga a via para que a água pudesse escoar. A vários bichos e larvas dentro da água que se percebe nitidamente no vídeo. A situação maior está entre as casas dos moradores que fica logo depois do Bar de Sucata, bem lá na mais na frente próximo ao depósito de bebidas KM na  Avenida primeiro de Maio, bairro Santo Antônio. O esgoto parado tanto entre as casa, como do outro lado da via próximo ao cabo entupido.

VÍDEO:

Fotos:

EM CODÓ TETO DE ESCOLA DESABA E PREFEITO COLOCA A CULPA NA GESTÃO ANTERIOR. HAJA VISTA QUE ELE PROMETEU MUDAR CODÓ EM TRÊS MESES.

Em nota  a prefeitura de CODÓ escreveu esse seguinte texto para justificar o problema do teto da escola ter caído. Não seria essa uma má administração?

 A Prefeitura de Codó, através da Secretaria Municipal de Educação (SEMECTI) informa que o teto da Creche Santo Antônio desabou na noite de sexta-feira (11) em consequência das péssimas condições, por falta de manutenção das gestões anteriores. Informa ainda que foram acionados, de imediato, o Corpo de Bombeiros, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas ninguém estava no prédio, e que uma equipe técnica da Secretaria de Obras já foi enviada à escola, em regime de urgência, pelo prefeito Dr. Zé Francisco, para analisar a situação. Esclarece que a referida creche vai passar por vistoria e perícia técnica para determinar as causas do ocorrido e avaliar as condições de segurança do prédio. 

A prefeitura reforça que providenciará as intervenções estruturais necessárias. Já a Secretaria de Educação informa que as atividades serão remanejadas para outro prédio, a fim de não prejudicar os trabalhos do corpo de funcionários, que mesmo em pandemia atua com atividades em diálogo com a comunidade escolar.
JOSÉ FRANCISCO LIMA NERES
Prefeito Municipal de Codó

Haja vista que o prefeito de CODÓ prometeu mudar CODÓ em três meses, e principalmente na área da Saúde e educação. O prazo acabou e ninguém viu nada. A culpa agora de tudo será de governos anteriores e a promessa feita por ele nunca será cumprida. Deu tudo errado para o povo!!

CONTRATO MILIONÁRIO ENTRE A PREFEITURA DE CODÓ E DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS  DE TERESINA É ALVO DE INSTIGAÇÃO DO MPMA

O Ministério Público do Estado do Maranhão (MPMA) investigará possíveis irregularidades no contrato firmado pela Prefeitura Municipal de Codó, atualmente sob o comando do prefeito Zé Francisco (PSD), e a empresa DIMENSÃO DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS EIRELI.

A informação consta na Portaria – 1ªPJCOD – 282021 disponibilizada hoje, 10, no Diário Eletrônico do MPMA.

De acordo com a Portaria, uma demanda foi aberta na 1ª Promotoria de Justiça acerca da falta de medicamentos nos postos de saúde de Codó/MA, com Representação inicial tratando, também, de possível irregularidade no Contrato nº 0004/2021, firmado entre a Secretaria Municipal de Codó e a empresa DIMENSÃO DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS EIRELI, CNPJ 02.956.130/0001-28.

A representação inicial foi cadastrada no Sistema Integrado do Ministério Público (SIMP) em 12/04/2021, sob o nº 000709-259/2021, e tem como requerente o vereador Leonel Filho.

Tendo em vista a complexidade dos fatos, o MPMA resolveu instaurar o SIMP 001278-259/2021 – 1ªPJC, cuja finalidade fica restrita à apuração de possíveis irregularidades no Contrato nº 0004/2021, resultante do pregão presencial nº 040/2019SRP, firmado entre a Secretaria Municipal de Saúde de Codó/MA e a empresa DIMENSÃO DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS EIRELI, CNPJ 02.956.130/0001-28, para contratação de empresa para aquisição de medicamentos e materiais odontológicos destinados à Secretaria Municipal de Saúde, com valor total de R$ 3.198.100,70 (três milhões, cento e noventa e oito mil, cem reais e setenta centavos).

Empresa envolvida em escândalos

Pertencente ao empresário Jadyel Silva Alencar, a DIMENSÃO DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS EIRELI está situada em Teresina/PI e possui forte atuação nos estados do Piauí e Maranhão.

No Maranhão, o empresa é citada em escândalos envolvendo as Prefeituras de Bom Jardim, São José de Ribamar, São Luís, Buriti e Imperatriz.

MATÉRIA.

No início de 2021, a empresa foi um dos alvos da Operação Onzena, deflagrada pela PF CGU, que tinha o objetivo de colher provas para elucidar as investigações a respeito de eventuais fraudes em processos licitatórios e superfaturamento em contratos públicos no âmbito do enfrentamento a pandemia da covid-19.

SECRETARIO JÉFERSON PORTELA  RESPONDE AO CORONEL JURANDY SOBRE IMPLANTAÇÃO DE COLÉGIO MILITAR EM CODÓ E DIZ ESTÁ A DISPOSIÇÃO  PARA DISCUTIR E INSTALAR UMA ESCOLA MILITAR EM CODÓ

No vídeo Coronel Jurandy pede a implantação de um colégio Militar também na Cidade de Codó e obteve a resposta do Secretario Jeferson Portela.

Comandante Jurandy, nós já temos uma expansão Muito alta nas escolas militares do Maranhão, nós chegamos a três escolas e um anexo, hoje são 19 escolas com 13  mil alunos e outras escolas em implantação agora em 2021. Codó é uma cidade polo, cidade grande e na nossa opinião deve também ter uma escola militar, porque é um salto na qualidade do ensino do estado do Maranhão  e isso é importante para o desenvolvimento.

Hoje estamos instalando as escolas nos municípios em parceria com o município, aonde o município entende que deve ter uma escola militar.

No vídeo ele citou ainda cidades  como  PERITORÓ, COROATÁ , SÃO MATEUS, SÃO BENTO, TURILANDIA E PEDREIRAS, que irão receber agora uma  escola militar. Ele afirma no vídeo ao Coronel Jurandy que está a disposição  para discutir e instalar também uma escola militar em Codó

 

 

EM CODÓ, CANDIDATURA DE FILHO DO PREFEITO DESCUMPRE ACORDO E PODE RACHAR GRUPO

Durante toda a campanha eleitoral, o grupo liderado por Biné, Camilo Figueiredo, José Francisco, Pedro Belo, Rodrigo e Chiquinho do Saae alardeava que tudo em Codó estava um caos. A mensagem era de mudança no sentido de implantar uma nova prática administrativa. 24 mil codoenses não embarcaram nas palavras do grupão, mas 28 mil disseram sim com a eleição do prefeito Dr. Zé Francisco.

Passados mais de 100 dias de governo, percebe-se que o linguajar da campanha ainda não faz parte dos atos administrativos. O prefeito prioriza a velha política da partilha dos cargos e investiu no legislativo para ter maioria em troca de favores. No entanto, o que chama mais atenção é prioridade em torno do filho do prefeito, Pedro Neres, que não tem cargo na prefeitura, em torná-lo uma liderança e assim elegê-lo deputado nas próximas eleições.

Na campanha, havia um acordo com Zé Francisco para apoiar a candidatura a deputado estadual de Camilo ou Rodrigo Figueiredo. Última pesquisa divulgada na cidade mostra hoje a liderança do ex-prefeito Francisco Nagib (atual diretor do Detran), que tem o apoio do deputado Zito Rolin. Pedro Neres fica bem abaixo, apenas em terceiro.

Ou seja, a preocupação em torno dos problemas da cidade foi substituída pela preocupação em torno do Pedro Neres 2022. Funcionários, do primeiro e segundo escalões, cortejam o filho do prefeito no sentido de mostrar que o mesmo tem influência na administração. Ele passa a ser o elo entre o favor e o favorecido. Sai de cena Biné, Camilo, secretários e vereadores, e entra Pedro Neres impulsionado pela máquina.
Até slogan já foi criado para embalar o projeto político do filho do prefeito. Chama-se novas ideias. Assim sendo, o grupão do poder prioriza a pré-candidatura de Neres e esvazia a influência dos demais na máquina administrativa.

PREFEITO ZÉ FRANCISCO PERMANECE CALADO SOBRE A EMENDA PARLAMENTAR DE EDILÁZIO JUNIOR

Dezoito dias atrás, a notícia de que o deputado federal Edilázio Júnior (PSD) destinaria R$ 4 milhões ao município de Codó, através da emenda parlamentar nº 39680002, foi amplamente divulgada nas redes sociais e principais blogs do município.

Porém um detalhe passou despercebido por muitos, já que para fazer jus ao recurso, o município de Codó teria que elaborar plano / proposta de trabalho informando como utilizaria o recurso. 

Após a conclusão, as informações deveriam ser enviadas para o site do Ministério da Saúde, no período entre 24/05 e 06/06/2021. 

Será que o documento foi elaborado e enviado, dentro do prazo, conforme orientação do deputado federal? 

Em busca de informações sobre o assunto, a ASCOM da Prefeitura foi acionada e nos respondeu ao nosso amigo Blogueiro com um singelo Bloqueio, o Giovanni Graciliano.

Resta aguardar o prefeito Zé Francisco “quebrar o silêncio” sobre o assunto.