José Amparo Barbosa da Silva, conhecido por “Tiririca”, que era orientador de uma escolinha de futebol em Caxias, foi condenado a 34 anos, um mês e quatorze dias de prisão pelo estupro de três menores que eram seus alunos.

De acordo com os autos do processo os crimes ocorreram entre setembro e novembro de 2014. Segundo o depoimento das vítimas, o estuprador os atraía para o vestiário ou os levava para sua residência onde cometia os atos libidinosos.

Tiririca forçava as crianças a fazerem sexo anal e oral, em troca do silêncio oferecia presentes. O criminoso chegou a infectar as crianças com o vírus da sífilis e do HPV.

O crime foi descoberto quando as mães das crianças notaram uma mudança no comportamento delas e também os presentes que não condiziam com a realidade socioeconômica das vítimas.

A juíza Marcela Santana Lobo, titular da 5ª Vara da Comarca de Caxias, entendeu que o criminoso fez uma seleção das vítimas de acordo com sua vulnerabilidade socioeconômica, já que também oferecia sexta básicas para as famílias das crianças.

“O acusado selecionava vítimas potenciais entre as que já eram economicamente vulneráveis. A conduta revela não apenas o conhecimento da ilicitude da prática criminosa, como a premeditação na cautelosa escolha das vítimas”, explicou a magistrada.

iCaxias