Blog da Ramyria Santiago -

AUXÍLIO EMERGENCIAL: QUEM RECEBER OS 600 PODE TER QUE DEVOLVER EM 2021.


Alteração na lei diz que beneficiário terá que devolver o valor no ano que vem caso termine 2020 com renda acima do limite de isenção do IR. A lei do auxílio emergencial sofreu uma nova alteração, que torna o benefício um “empréstimo” para quem se recuperar financeiramente até 2021. A mudança feita pelo Senado e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro determina que quem quem receber em 2020 mais que o limite de isenção do Imposto de Renda (IR) terá que devolver o valor integral em 2021, inclusive o dos dependentes.

Atualmente, quem recebe menos de R$ 28.559,70 no ano inteiro, incluindo, por exemplo, salários, aposentadorias e aluguéis não paga o Imposto de Renda, e também não precisará devolver o valor referente ao ‘coronavoucher’.

A lei do auxílio emergencial, inicialmente, excluía pessoas que tivessem recebido valor maior do que R$ 28.559,70 em 2018, deixando de fora pessoas que tinham certa renda há dois anos, mas que hoje necessitavam de auxílio governamental diante da crise

Após a primeira parcela, a Câmara e o Senado aprovaram um projeto que derrubou esse critério. Por outro lado, foi adicionado ao texto a obrigação de devolver o auxílio caso o beneficiário termine o ano de 2020 com renda acima do limite de isenção do Imposto de Renda .
De acordo com o relator do texto final, o senador Espiridião Amin (PP-SC), existia um acordo com o governo federal para que as duas alterações fossem aprovadas; juntas, elas formariam, segundo ele, um critério mais justo para analisar quem teria direito às parcelas.

No entanto, o senador diz que o governo não cumpriu com o combinado e aprovou apenas metade do acordo. Dessa forma, Bolsonaro manteve o critério que exclui pessoas por causa da renda de 2018, mas sancionou medida que exige devolução do valor recebido por quem se recuperar ao longo de 2020, criando mais um empecilho para o trabalhador que vê os R$ 600 como saída para a crise causada pela pandemia.

Do IG

FILHO PROCURA PELO PAI DE NOME RAIMUNDO BIGODE OU BIGODÃO  EM CODÓ OU NO KM-17. ELE NUNCA VIU O PAI NA VIDA

Gleidson da Conceição 36 anos, procura pelo pai que ele nunca conheceu. O pai de Gleidson foi embora quando ele tinha apenas 2 meses de vida.  O pai de Gleidson tem mais ou menos de 60 até 70 anos de idade e se chama Raimundo Soares de Sousa, mais conhecido por RAIMUNDO BIGODE OU BIGODÃO, ele tem um irmão chamado de VALDETE e sua mãe se chama Dona Antônia.

Já a mãe de Gleidson é Francisca Antônia conhecida por Toinha. Sua Avó materna é Jacinta Maria da Conceição e Avô materno Antonio Firmino das Chagas. A ultima informação que Gledson teve do pai é que ele trabalhava em um mercado do Quilometro 17 (KM-17).

FORAGIDO DA JUSTIÇA É PRESO EM CODÓ POR PRÁTICA DE HOMICÍDIO


Foragido da justiça do Piauí condenado por pratica de homicídio é preso em Codó.
Por volta das 10h da manhã de quinta (21/05), a Central de Operações Policiais Militares do 17º BPM recebeu uma denúncia anônima, dando conta de que um homem que estava nas imediações da área comercial de Codó possuía em seu desfavor, um Mandado de Prisão em aberto pela justiça do Piauí, não sabendo ao certo por qual crime.
Após colher mais detalhes sobre as características do suspeito, uma guarnição foi acionada para o local no sentido de localizar e abordar o suposto foragido. Ao chegar no exato ponto indicado pelo denunciante, o suspeito não se encontrava mais.
Durante o patrulhamento, minutos depois os policiais localizaram na Praça Almirante Tamandaré, um indivíduo com as mesmas características do suspeito e ao ser questionado a respeito de seus dados pessoais, o homem contou várias versões acerca de sua vida pregressa, não sabendo ao menos o nome de sua mãe e nem endereço.
Durante a abordagem, apareceu uma senhora se dizendo ser tia do suspeito, momento em que ela o chamou por um nome diferente do apresentado por ele aos policiais militares, momento em que diante das circunstâncias e fundamentada suspeita, foi dado voz de prisão ao indivíduo que disse ser de Codó, porém em 2010 praticou um homicídio na cidade de Teresina-PI, fora condenado e anos depois ao sair temporariamente do presídio teresinense mediante indulto, não mais retornou à custódia do Estado do Piauí.
De acordo com o Comandante do 17º BPM, Tenente Coronel J. Alves, o sucesso da prisão se deu pelo empenho dos policiais da Unidade e por conta da confiança em que a sociedade tem com a Polícia Militar, pois ao denunciar anonimamente a presença de um foragido da justiça no seio social, esse cidadão entende que isso representa um risco para a população, quem ganha com isso é a sociedade, declarou o comandante.
Até o fechamento desta edição, a 4ª Delegacia Regional de Codó ainda estava levantando mais informações sobre o foragido que agora deverá ser recambiado para o estado do Piauí para cumprir sua pena e sofrer as sanções penais por conta da não obediência ao retorno do indulto.
ASCOM 17BPM